Séries

Por que gostamos tanto de Grey’s Anatomy

Demorei muito para começar a assistir a série Grey’s Anatomy. Meio mundo via, me indicava, diziam que eu iria gostar, mas eu ainda não tido coragem.

Eu sabia que seria daquelas séries que ou você ama ou odeia! Se você gosta, não vai querer parar de ver e é bastante chão pela frente, são 13 temporadas caminhando para a 14, e segundo a criadora, Shonda Rhimes, vai ter temporada enquanto a atriz principal, a Ellen Pompeo, topar. Li recentemente que ela já fechou contrato para produzir a 15° e 16° temporadas, é Grey’s Anatomy para que te quero.

E adivinhem de que lado eu fiquei?

Pois bem, se você não conhece, é um drama médico americano que conta a história de Meredith Grey, inicialmente interna do fictício hospital cirúrgico Seattle Grace (mais tarde Hospital Memorial Grey-Sloan), um dos programas de residência em cirurgia médica mais rígidos do país. A série é focada nela e seus colegas, também internos: Cristina Yang, Isobel Stevens, George O’Malley e Alex Karev, são os primeiros que aparecem na série e tem um papel fundamental para o resto dela (mesmo depois de alguns saírem, acredite!) e mostra suas vidas amorosas, as dificuldades pelas quais passam no trabalho, e toda a louca rotina do hospital. Claro os casos médicos, as vitórias, as derrotas, as descobertas, as aspirações dos cirurgiões e por aí vai.

Grey’s Anatomy já se estabeleceu como uma das maiores séries americanas dos últimos anos, depois que passei a assistir e a acompanhar um pouco mais sobre o elenco e a história, que pude perceber realmente a popularidade que ela tem, mas por que será que esta série faz tanto sucesso? E se sustenta durante tanto tempo?

Bom, eu li diversas teorias sobre o assunto. Algumas pessoas apontam o fato do elenco estar sempre se renovando, e de fato isso acontece, e de uma maneira muito bem feita, que já passamos a gostar (ou odiar) o novo personagem como se ele sempre fizesse parte. Outras pessoas dizem que é por causa dos dramas, que dão aquele ar bucólico à serie. E teve até gente dizendo que a gente gosta mesmo é de sofrer…rs

De certo modo, acabo concordando com todos eles. Acredito ser um misto de tudo isso. Pra mim, sempre que gosto muito de uma coisa, seja música, série, filme, livro, vejo que acontece uma grande identificação com o tema. Em Grey’s Anatomy, vejo muito isso acontecer, com várias situações e personagens, mas com certeza tem mais que isso.

Fui entender muito da série e o porquê de muitas coisas terem acontecido em seus roteiro depois que li o livro da Shonda Rhimes, O ano em que disse sim! Nele, apesar de ter o foco na vida dela, muito se entende sobre Grey’s Anatomy.

Conseguimos entender, por exemplo, que Shonda quer fala de muitos assuntos necessários e eles são colocados de maneira sutil e inteligente, ela consegue levantar questões urgentes e relevantes com simples e diálogos e grandes situações, mas de um modo que instiga e de fato leva à reflexão.

A construção dos personagens é muito bem feita. A Shonda comenta no livro que a personagem Cristina Yang, era muitas vezes a porta voz sobre o que a Shonda queria dizer ao mundo sobre ser mulher, sobre ter escolhas, sobre ir contra a maré do que a sociedade nos incute que devemos fazer. A Cristina sem dúvida é uma das personagens mais marcantes, se não a mais marcante, na minha opinião.

Cada tragédia, (e olha que é eita atrás de eita) vem com uma reviravolta possível, claro, porque é assim no mundo real. Nem sempre as coisas tem o final que a gente gostaria que tivesse, mas talvez sempre aja uma saída, uma maneira de começar.

A mudança de elenco ajuda a sustentar tantas reviravoltas, sem dúvida nenhuma, mas que muita gente que saiu faz falta faz.

E claro, as tramas são muito bem escritas, a Shonda é uma baita criadora, escritora, adoro o modo em que ela conta as histórias, os dramas que fazem parte da vida de tido mundo. O jeito que ela mostra que todos somos iguais e sofremos das mesmas perdas e comemoramos as mesmas vitórias.

Cada episódio nos surpreende, emociona, e claro, a emoção é uma das principais chaves para tamanho sucesso.

Update: Assistindo aqui mais temporadas, outra coisa que me encanta na série é a noção de amizade e fidelidade que há entre os personagens, principalmente os mais antigos. Claro, guardadas suas devidas características por ser uma história ficcional e, admiro e acho lindo a relação que foi construída entre eles.

Veja também

2 Comentários

  • Reply
    Descobertas e Favoritos de Janeiro de 2018 - Bárbara Vitoriano
    1 de fevereiro de 2018 at 13:35

    […] Grey’s Anatomy: cheguei na 13° temporada. Ainda não sei quantas eu assisti em janeiro, mas deixo minha recomendação aqui! A série médica ganhou de vez meu coração. E ah! Tem post exclusivo sobre ela aqui!  […]

  • Reply
    Descobertas e Favoritos de Fevereiro de 2018 - Bárbara Vitoriano
    30 de março de 2018 at 23:21

    […] Grey’s Anatomy: já estou terminando a 13° temporada. Fiz um post exclusivo sobre a série aqui no blog e também vídeo lá no […]

  • Deixe um comentário