Maternidade e Família

Por que as mães querem empreender?

Você abre a internet, e nunca ouviu tantas coisas sobre Empreendedorismo Materno. Mães que deixam seus empregos formais e abrem seus próprios negócios em busca de mais flexibilidade e autonomia para estarem perto dos filhos!

Apesar de fora daqui, o movimento das mães empreendedoras já existir há algum tempo e ter bastante força, no Brasil é algo mais recente. Se pensarmos, na verdade ele sempre existiu, porém de forma isolada e agora ganha uma força maior como movimento e mais possibilidades de atuação e união dessas mulheres, também graças à internet.

Nos últimos três anos, pesquisando muito sobre o assunto para lançar o Empreender Materno, presenciei um aumento e uma expansão de iniciativas, pesquisas e também de espaço para se discutir o assunto. Começou a se separar o empreendedorismo materno de dentro do feminino, reconhecendo que este possui algumas peculiaridades.

E isso tudo é muito bom! Muitas mães, como eu, puderam conhecer outras mães que buscaram esse caminho. Trocamos dicas, desabafos e foi justamente o aumento do número de pessoas interessadas no assunto que surgiu o projeto que tem foco nas mães empreendedoras.

Porque as mães querem empreender?

Você se lembra como era antes de ter filho? Quantas mudanças a gente enfrenta! As decisões eram mais simples e as mudanças em nossas vidas mais fáceis de encarar.

Todas essas mudanças que um filho traz impacta também na relação que temos com o trabalho. Queremos mais flexibilidade de horário, autonomia para definir as nossas rotinas, queremos trabalhar com algo que nos traga algo a mais que retorno financeiro (e muitas vezes ter a possibilidade de se ganhar mais que antes) e poder acompanhar mais de perto o crescimento dos filhos. As razões são muitas e vão desde a parte financeira até a parte de valores de vida.

É sempre uma escolha? 

Apesar de estar falando aqui das razões mais conscientes, o que se percebe também é que nem sempre empreender é uma escolha para essas mães. São também muitas as razões que podem levar a mãe a esse caminho: falta de apoio, salários insuficientes para manter uma rede de apoio, desemprego e muitos outros.

Explicação biológica

A decisão vem, na maioria das vezes, na volta da licença maternidade. Mesmo assim, outros estudos apontam que a vontade de empreender pode surgir em outros momentos também. No livro Minha mãe é um negócio, elas trazem um estudo da Universidade de Londres que diz que durante a gestação o cérebro da mulher reduz de tamanho e volta ao tamanho normal em seis meses. Com esse processo em que o cérebro se contrai, ele se modifica, se reorganiza e quando volta a crescer aumenta a capacidade de memorização, concentração e aprendizagem.

Com isso, a mulher se torna muito mais dinâmica, mais habilidosa, mais sensível e competente. Essas mudanças acontecem para que possamos cuidar dos filhos, ao passo que também são habilidades valorizadas no meio corporativo e que têm tudo a ver com o empreendedorismo.

Soluções do dia a dia viram ideias de negócios

Além disso, tem um outro lado. A mulher que é mãe passa a olhar o mundo de uma forma diferente. E esse novo olhar gera negócios. Mãe, quando vai a um restaurante, por exemplo, olha as quinas das mesas, o espaço kids. Então os negócios pensados pelas mães quase sempre estão relacionados com melhoras em sua nova realidade: é a fralda mais saudável e sustentável, a roupa mais confortável, o brinquedo que valoriza a infância. Problemas do cotidiano geram ideias de soluções que viram negócios.

Temos diversos exemplos desse tipo de negócio e também aquelas em que a mãe utiliza algum talento esquecido ou que era apenas um hobby. E quantas mães não reinventam suas profissões atuais lançando no mercado novos produtos e serviços sob uma nova ótica que adquirem após a maternidade.

Empreender depois dos filhos: qual a diferença?

A maioria das mães se deparam com o empreendedorismo junto com o nascimento dos filhos, naquele momento em que se pegam sem querer voltar para o emprego tradicional que não se encaixa mais na sua nova vida de mãe.

Costumo dizer que empreender é muito mais que montar um negócio, é um novo estilo de vida e que tem tudo a ver com a maternidade.

Mães são empreendedoras natas, é só parar uns minutinhos e olhar para a maternidade pra ver como ela e o empreendedorismo têm coisas em comum. O livro Minha mãe é um negócio, retrata bem essas semelhanças.

E quando surge a ideia de montar um negócio, todas essas habilidades adquiridas na maternidade e que ajudam no empreendedorismo devem ser levadas em consideração, mas também devem ser analisadas as dificuldades que se encontra quando se quer empreender e maternar.

Lidar com planos, planejamento, contas, marketing, coisas que muitas, nunca haviam ouvido falar. Na maioria das vezes a mãe que começa a empreender precisa acumular algumas funções e aprender algumas delas.

Adequar-se à nova rotina buscando o equilíbrio entre a maternidade e o trabalho, é outro desafio comum que as mães empreendedoras encaram. Estabelecer uma rede de apoio é fundamental para o processo de desenvolvimento de um negócio paralelo com a maternidade, assim como buscar qualificação sempre.

A boa notícia? Projetos como o Empreender Materno com cursos voltados para este público, grupos de apoio, coworkings maternos, feiras destinadas às mães empreendedoras, inciativas de bancos e governo e até o espaço maior na mídia, mostram que o empreendedorismo materno é viável, possível e que veio pra ficar.

Veja também

1 Comentário

  • Reply
    Não, você não precisa ser uma mãe empreendedora - Bárbara Vitoriano
    9 de outubro de 2017 at 13:44

    […] são a única razão que levam muitas mulheres buscarem o empreendedorismo, escrevemos sobre isso aqui! Apesar de claro de ser a principal […]

  • Deixe um comentário