Maternidade e Família

Não, você não precisa ser uma mãe empreendedora

Ah! A maternidade e suas idealizações. Dentre tantos modelos de maternidade perfeita o empreendedorismo materno é talvez a mais nova delas. Trabalho em um projeto voltado para este nicho há quase 3 anos. Vi muita coisa surgir e crescer dentro desse movimento.

Vi e vejo todos os dias mulheres se redescobrindo, resgatando aquele talento que tinha ficado ali guardadinho, superando as próprias expectativas, mas principalmente transformando, mudando as coisas ao seu redor, a relação com o trabalho (mesmo com todas as dificuldades), mudando sua definição de sucesso, o meio em que vive e vivendo sim com mais presença na vida dos filhos. Infelizmente nosso sistema de trabalho é ingrato, é injusto, nem de longe apoia e entende a importância do aleitamento materno, da presença dos pais na vida dos filhos.

E assim como todos os caminhos, empreender pode e é (em muitos casos) um caminho lindo, de realmente fazer a roda girar diferente. É fácil? Não! É rápido? Não! É pra todo mundo? Não! E é aí que mora o perigo. O problema é quando se afirma o empreendedorismo como o caminho das flores, onde tudo são rosas e como a salvadora da pátria para toda e qualquer pessoa.

Pra ter tempo realmente de qualidade, vamos passar muitas madrugadas trabalhando, você precisa de apoio, de alguém que segure as contas, de um bom planejamento financeiro. Você vai precisar aprender a lidar com produtividade, com tempo, e com tecnologia que pode automatizar muitas funções. Mas nem de longe isso acontece do dia para a noite. Nem de longe é fórmula e muito menos para todo mundo.

O perigo mora quando se cria um esteriótipo de que, para ter mais tempo de qualidade com os filhos a única maneira é empreender. Não gente! Este não é o único caminho e pode não ser o seu caminho.

É preciso entender que empreender depois dos filhos é o caminho do meio. Não é a salvação e nem a pior coisa do mundo. Onde se tem muito a ganhar, muitas possibilidades de realização, mas também muitas outras coisas que precisam ser levadas em conta.

Em segundo lugar que a rotina de uma mãe empreendedora é punk sim! Pelo menos da grande maioria que conta com uma mínima rede de apoio. É preciso inovar, rebolar e malabarismos para fazer as coisas funcionarem. Quantas e quantas vezes se recorre à TV, ao tablet ou deixar elas tirarem todas as panelas do armário para responder aquele e-mail?

Conheço muitas mães empreendedoras, trabalho com elas. Conheço mulheres incríveis que buscaram curiosas mais informações sobre o tal do empreendedorismo materno. Muitas delas começaram e perceberam que nem de longe se encaixava na rotina delas. O “ter mais tempo de qualidade com os filhos” significava não ter mais tempo pra nada. Muitas falavam que estar trabalhando fora era o caminho para chegar em casa e estar de fato com os filhos. E tudo bem!

Outras se desdobram na rotina, mas o fato de poderem controlar o trabalho, de levar ou buscar os filhos na escola, de poder acompanhar cada descoberta de perto, vale todo o esforço.

É válido sempre lembrar que os filhos não são a única razão que levam muitas mulheres buscarem o empreendedorismo, escrevemos sobre isso aqui! Apesar de claro de ser a principal razão.

No mais, há muitas coisas que precisam ser levadas em conta em qualquer decisão, ainda mais as que envolvem fatores tão importantes na vida da gente! Mas o mais importante é estar em paz com ela!

Veja também

Sem Comentários

Deixe um comentário