Para refletir

Acalento

Nesses dias de lentidão em que a pandemia nos impõe, me dou a um certo luxo. Mesmo acordando mais cedo, porque o trabalho, ainda que home office, me exige.

De vez em quando volto, entro pé por pé e vou até minhas filhas.

Olho bem as feições, lembro de tanta coisa com esse gesto.

Algumas vezes me aconchego junto às cobertas e à quentura daqueles seres que carreguei por tanto tempo.

Mas é o cheiro delas mesmo que vou buscar, esse cheiro meio mágico, meio místico para uma mãe. Ele tem poder, sempre teve.

É o cheiro que me coloca de volta nos eixos, é um ponto de acalento diante de tanta incerteza.

É o farol em mares turbulentos. É âncora quando não sabemos por onde navegar…

Veja também

Sem Comentários

Deixe um comentário